Notícias e Eventos


G20: Cura-te a ti mesmo

27 de julho de 2020

 

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é efb7e5842b0bf3e45505315d557082d3.2-1-super.1-1-1024x512.jpg

 

  

Jeffrey D. Sachs, professor de Desenvolvimento Sustentável e Política e Administração de Saúde da Columbia University em Nova York e diretor da Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável (SDSN) da ONU, avalia a postura de membros do G20 frente à pandemia em artigo publicado no Project Syndicate.

Confira o texto na íntegra.

 

Os ministros das Finanças do G20 se reúnem nesta semana sob os auspícios da Arábia Saudita, que detém a presidência do grupo este ano. Mas é difícil imaginar países do G20 liderando o mundo, como eles gostam de fazer de conta que fazem. A maioria deles não tem condições de efetivamente liderar a atual crise do COVID-19.

 

Como são as maiores economias do mundo, os membros do G20 têm primordial responsabilidade na próxima reunião: concordar nas às ações para suprimir a pandemia. Alguns poucos países do G20 estão se saindo bem. Os países retardatários precisam tomar urgentes medidas para impedir a propagação do vírus. Todos os países do G20 precisam cooperar nas políticas de escala global para superar a crise da saúde.

 

É preocupante a visão geral dos países do G20. Muitos são tão mal governados que foram totalmente incompetentes em conter a pandemia. A julgar pelos dados das duas últimas semanas, o maior fracasso do G20, com 176 novos casos, todos os dias, por milhão de habitantes, o Brasil, liderado pelo imprudente populista Jair Bolsonaro, ele próprio agora tendo contraído o vírus. O segundo maior fracasso são os Estados Unidos, liderados pelo Bolsonaro do norte, Donald Trump, com 137 novos casos por dia, por milhão de habitantes. Os outros dois países do G20 com mais de 100 novos casos por dia por milhão de habitantes são a África do Sul (129) e a Arábia Saudita (112).

 

O próximo grupo de países, reportando de 10 a 100 novos casos por dia por milhão de habitantes, inclui Rússia (47), México (43), Turquia (16), Índia (15) e Reino Unido (11). Todos esses países correm o risco de um significativo aumento na transmissão, com México e Índia parecendo estar em maior risco.

 

Atualmente, seis países do G20 registram de 1 a 10 novos casos por dia por milhão de habitantes – números razoavelmente baixos que possibilitam a decisiva supressão do vírus em um futuro próximo: Canadá (8), França (8), Alemanha (5), Indonésia (5), Itália (4) e Austrália (3).

 

Apenas três países do G20 relatam menos de um caso novo por dia por milhão de habitantes: Coréia do Sul (0,96), Japão (0,9) e China (0,01). Esses três países do nordeste asiático aplicaram a combinação necessária de liderança política, profissionalismo em saúde pública e comportamento responsável (uso de máscaras, distanciamento físico e aprimoramento da higiene pessoal).

 

Uma epidemia é um fenômeno social e precisa de uma resposta social. Como Coréia do Sul, Japão e China demonstraram, o vírus pode ser suprimido – ou seja, novos casos podem ser baixados para quase zero – se uma lógica básica for seguida. Aqueles que estão infectados com o vírus precisam proteger aqueles que não estão infectados. Eles podem fazer isso de quatro maneiras durante as duas semanas em que são infectantes: manter distância física; usar máscaras faciais; ficar em casa e longe dos outros; e permanecer em recinto público de quarentena se o isolamento na própria casa não for seguro.

 

Essa proteção não precisa ser perfeita e, de fato, não será. No entanto, deve ser boa o suficiente para garantir que, em média, 1 indivíduo infectado infecte menos que 1 outro. Todas as pessoas devem ser cautelosas até a pandemia ser suprimida. Isso significa usar máscaras em locais públicos, manter uma prudente distância dos outros e monitorar a si mesmos e seus contatos próximos quanto aos sintomas. Órgãos públicos precisam disponibilizar locais de teste e serviços de apoio ao isolamento de indivíduos infectados, seja em casa ou em instalações públicas. Os responsáveis por locais de trabalho devem tomar medidas de precaução, incluindo trabalho remoto ou seguro distanciamento físico no local.

 

As flagrantes falhas do G20 começaram na maioria dos casos no topo. Bolsonaro e Trump são fanfarrões, valentões, divisores e sociopatas. O enorme número de mortos em seus países não os levou a expressar compaixão, nem tampouco a políticas efetivas de saúde pública. Observa-se um comportamento perverso semelhante entre outros homens fortes do G20. Embora as mulheres líderes (na Nova Zelândia, Finlândia, Dinamarca e outros países) tenham um histórico superior na pandemia o G20, infelizmente, tem apenas uma, a Chanceler Angela Merkel.

 

Trump é um caso especial, porque ele governa a maior potência militar do mundo. A sociopatia de um presidente dos EUA é uma tragédia mundial, diferente da de um presidente brasileiro (embora a sociopatia de Bolsonaro afete o mundo por meio de uma agenda contra o ambiente que alimenta a irresponsável e deliberada destruição da Amazônia). A decisão de Trump de retirar os EUA da Organização Mundial da Saúde em meio à batalha pandêmica produz imediatas repercussões globais. O mesmo acontece com seus esforços para iniciar uma nova guerra fria com a China, em vez de salvar o próprio país e cooperar com a China para ajudar o resto do mundo a combater a pandemia.

 

Nisso, a China obviamente tem muito a oferecer. O país tem tomado as medidas mais decisivas do mundo para suprimir uma pandemia fulminante (após o primeiro surto em Wuhan) e pode estar a caminho de produzir a primeira vacina utilizável.

 

No entanto, os resultados sociais não são apenas resultado de liderança política. Também dependem da cultura e da responsabilidade social. A cultura confucionista do nordeste da Ásia enfatiza a cooperação social e o comportamento pessoal pró-social, como o uso de máscaras faciais. Americanos fanáticos, incitados por Trump, proclamam em voz alta a liberdade de rejeitar máscaras faciais – ou seja – a liberdade de infectar outros americanos. Dificilmente, afirmações como essa seriam ouvidas nordeste da Ásia.

 

O que também é notável é o fracasso dos líderes empresariais dos EUA em tomar medidas para conter a epidemia. Um dos principais empresários da América, Elon Musk, exigiu a reabertura da economia (e de seus negócios), em vez de usar seu talento em engenharia para ajudar a conter o vírus. Outros líderes empresariais também contribuíram muito pouco ou quase nada para suprimir a epidemia. Isso também faz parte da cultura americana: dinheiro em detrimento da vida humana, riqueza pessoal em detrimento do bem social.

 

Os ministros das Finanças do G20, sem dúvida, falarão de dinheiro – orçamentos, incentivos, política monetária – e assim deveriam fazê-lo, mas somente depois de falarem em interromper a trajetória do vírus propriamente dito. Não há como salvar a economia sem parar a pandemia. Garantir medidas efetivas de saúde pública é o essencial da política econômica de hoje.

 

Tradução de Anna Maria Dalle Luche, Brazil

 

Jeffrey D. Sachs, professor de Desenvolvimento Sustentável e de Políticas e Gerenciamento de Saúde da Universidade de Columbia, é diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável de Columbia e da Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável (SDSN) da ONU. Ele já atuou como consultor especial para três secretários-gerais da ONU. Seus livros incluem O Fim da Pobreza, Riqueza Comum, A Era do Desenvolvimento Sustentável, Construindo a Nova Economia Americana e, mais recentemente, Uma Nova Política Externa: Além do Excepcionalismo Americano.

 

Webinar: Plataforma Open SDG

23 de julho de 2020


 


Participe do webinar gratuito em inglês para aprender sobre a
Open SDG, uma plataforma para dados de código aberto e análise dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), no dia 30 de julho, a partir de 13h.

 

O webinar será conduzido pela Diretora da Rede Temática de Pesquisa em Dados e Estatística da SDSN (TReNDS’), Jessica Espey, que explicará as funcionalidades, as origens e a evolução da plataforma, assim como a importância dos dados para o progresso da agenda dos ODS em âmbito nacional e regional. Este webinar também destacará a relevância de parcerias e diversas fontes de dados para os relatórios de ODS, com estudos de caso das cidades de Los Angeles e Bristol. 

 

O portal de dados foi criado pelo Governo Americano em parceria com o Escritório Nacional de  Estatísticas britânico e o Center for Open Data Enterprise (CODE, na sigla em inglês).

 

Para inscrições, acesse https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScPtunhi-L-NAmxkZYW6ZAXAdHr20otVn4Fnx42gLpws_ZeGg/viewform

Webinar “Fronteiras da Ciência da Sustentabilidade”

20 de julho de 2020

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 107514324_1772434519561151_4243463699511973296_o-1024x535.jpg

 

A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) realizará amanhã, dia 21 de julho, o webinar gratuito “Fronteiras da Ciência da Sustentabilidade”, às 19 horas. O evento online apresentará o Mestrado Profissional em Ciência da Sustentabilidade e contará com a presença dos professores Dr. Bernardo Strassburg, Dr. Fabio Scarano e Prof. Dra. Agnieszka Latawiec.

 

Para participar, acesse: https://global.gotomeeting.com/join/797985021

 

Sobre os palestrantes:

Prof. Dr. Bernardo Strassburg — Professor do Departamento de Geografia e Meio Ambiente da PUC-Rio e Diretor Executivo do Instituto Internacional para Sustentabilidade (IIS) — é economista e doutor em Ciências Ambientais pela Universidade de East Anglia (Reino Unido). Sua pesquisa concilia aspectos econômicos, ecológicos e de inteligência espacial em abordagens de sistemas socioecológicos, apoiando políticas públicas de governos locais e nacionais e organismos multilaterais como as Convenções de Biodiversidade e de Mudanças Climáticas das Nações Unidas e o Banco Mundial, além de organizações do terceiro setor.

Prof. Dr. Fabio Scarano — Professor Associado de Ecologia da

Universidade Federal do Rio de Janeiro — é doutor em Ecologia pela Universidade de St. Andrews (Escócia). Foi autor no Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, 2011-2014), no Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC, 2011-2014), coordenador de capítulo no Painel Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, 2015-2018) e é coordenador geral da Plataforma Brasileira sobre esse tema (BPBES, desde 2015). Possui mais de 100 publicações científicas e foi agraciado com o Prêmio Jabuti para dois de seus livros.

Prof. Dra. Agnieszka Latawiec — Professora do Departamento de Geografia e Meio Ambiente da PUC-Rio e Diretora Executiva do Instituto Internacional de Sustentabilidade (IIS) — é doutora em Ciências Ambientais pela Universidade de East Anglia (Reino Unido). Sua pesquisa se concentra em aspectos mais amplos da gestão da terra, participando e liderando projetos e pesquisas interdisciplinares em: ciência do solo, manejo e mudança de uso da terra, modelagem, tomada de decisão ambiental, avaliações de impacto, indicadores e ciência da sustentabilidade. 

 
 

Campanha pela Década de Responsabilidade dos ODS – 2020

15 de julho de 2020

 
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é https___cdn.evbuc_.com_images_104663544_456211416952_1_original-1024x512.jpeg

 

Participe do Webinar “Campanha pela Década de Responsabilidade dos ODS” (Campaign for a Decade of Accountability of the SDGs) às 8:30 da manhã na quinta-feira, dia 16 de julho. O webinar será gratuito e em inglês, realizado durante o Fórum Político de Alto Nível 2020. 

Este evento online e interativo tem o objetivo de incentivar o cumprimento da Agenda 2030 e dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), principalmente em relação às dificuldades enfrentadas com a atual pandemia do COVID-19. O evento também apresentará reflexões sobre a responsabilidade dos ODS a partir de vários pontos de vista, assim como a importância da implementação destas metas para a resposta, reconstrução e resiliência da pandemia do novo coronavírus.  

No final do webinar, acompanhe a prévia do primeiro Relatório Global de Responsabilidade dos ODS, que será lançado no final de 2020. 

As inscrições estão abertas e podem ser realizadas no link abaixo.

Para mais informações, visite https://sdgaccountability.org/hlpf-side-event/

 

AI for People lança Workshop gratuito sobre Inteligência Artificial

14 de julho de 2020

 

 
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é unnamed-1-1024x563.jpg

 

A AI for People está oferecendo um workshop gratuito em inglês sobre Inteligência Artificial, nos dias 8 e 9 de agosto . O workshop possui dois blocos básicos e quatro blocos avançados. Os blocos básicos exigem pouca ou nenhuma experiência em programação e os blocos avançados são para aqueles que desejam aprender sobre técnicas mais avançadas de Inteligência Artificial (IA).

O palestrante convidado é Dr. Ibrahim Haddad, Vice Presidente de Programas Estratégicos da Fundação Linux e Diretor Executivo da Fundação LF de Inteligência Artificial.

A AI for People é uma organização de pesquisas sem fins lucrativos, cuja missão é ensinar sobre como a Inteligência Artificial pode ser utilizada para o bem social. Portanto, se você aprova o workshop, sugerimos uma doação de 15 € (aiforpeople.org/supporters). As vagas são limitadas e preenchidas por ordem de chegada. Por isso, recomenda-se que o registro seja feito com antecedência.

 

  • Bloco Básico I: Exercício prático sobre Processamento de Linguagem Natural. O palestrante Philipp Wicke dará uma breve introdução ao Processamento de Linguagem Natural (PLN). Esta palestra é bastante prática e o palestrante mostrará um exemplo de modelagem de tópicos utilizando dados reais.  

 

  • Bloco Básico II: Introdução à ética da IA. A presidente da AI for People, Marta Ziosi, fornecerá uma ampla introdução aos tópicos eticamente relevantes para o desenvolvimento da inteligência artificial. Se você possui formação em ciências sociais ou técnicas, este curso apresentará os prós e contras da tecnologia na sociedade e fornecerá as ferramentas conceituais e relevantes para o campo da ética em IA.

 

  • Palestrante convidado: Ecossistema IA de Código Aberto. Nosso palestrante convidado, Dr. Ibrahim Haddad, diretor executivo da Fundação LF AI, falará sobre IA de código aberto.

 

  • Bloco Avançado I: Codificando IA. O palestrante Kevin Trebing fará uma introdução sobre como criar aplicativos de IA. Para isso, você aprenderá o básico do PyTorch, uma das maiores estruturas de IA ao lado do TensorFlow.

 

  • Bloco Avançado II: IA Cultural. Maurice Jones descreverá como o significado da IA ​​como tecnologia é socialmente construído e que papel os fatores culturais desempenham nesse processo. Ele dará um exemplo prático de como diferentes culturas criam diferentes significados em torno das tecnologias.

 

  • Bloco Avançado III: IA Criativa. O palestrante Gabriele Graffieti fará uma introdução sobre IA criativa, ou seja, o significado de criatividade em uma inteligência artificial e como instigar a criatividade no processo de treinamento. Nesta palestra, abordaremos detalhadamente modelos generativos e, principalmente, redes adversas generativas.

 

  • Bloco Avançado IV: IA Contínua. O palestrante Vincenzo Lomonaco fará uma breve introdução ao tópico Aprendizado Contínuo para IA. Esta palestra é muito prática e baseada em slides e código executável no Google Colaboratory. Você será capaz de codificar ao longo da palestra para adquirir o conhecimento e as habilidades básicas.

 

Para inscrição e mais informações, acesse: https://sites.google.com/view/ai-for-people-workshop

Top