As mentiras que infectaram Trump


 

Em artigo publicado pelo portal da Organização Project Syndicate, o diretor da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN) da ONU, Jeffrey Sachs, comenta sobre como o desrespeito às recomendações de saúde pública pelo presidente americano Donald Trump o levaram à sua própria infecção pelo coronavírus. “É difícil saber se a infecção de Trump pelo COVID-19 fará com que mais americanos acordem para a realidade da saúde pública e das mudanças climáticas”, avalia Sachs.

Confira o artigo na íntegra!

 

Ao contrário dos mais de dez milhões de pessoas em todo o mundo que contraíram o COVID-19 por causa de sua pobreza, falta de sorte, vulnerabilidade como trabalhadores essenciais ou decisões erradas dos governantes, a infecção do presidente dos Estados Unidos Donald Trump foi causada por ele mesmo. O desdém de Trump pela ciência e seu descarado desprezo pelas orientações de saúde pública o levaram diretamente à própria doença; e muito pior, tudo isso aumentou o número crescente de mortes de COVID-19 nos EUA – agora em mais de 214.000.

Desde o início da pandemia, especialistas em saúde pública de todo o mundo têm implorado ao público para usar máscaras, evitar grandes aglomerações e manter distanciamento físico de outras pessoas, a fim de impedir a transmissão do vírus. Voltemo-nos, então, Trump, um homem com disposição patológica, para rejeitar todos esses conselhos. Apenas dois dias antes de anunciar que ele e a primeira-dama tinham testado positivo, Trump estava zombando de Joe Biden por usar máscara. “Eu não uso máscara como ele”, disse Trump no primeiro debate presidencial. “Toda vez que você o vê, ele está com a máscara. Ele pode estar falando a 200 metros de distância … e mesmo assim, parece que ele está usando a maior máscara que eu já vi.”

Contrariando os apelos de especialistas em saúde pública e autoridades locais, nos últimos meses, Trump vinha realizando grandes comícios tanto internos quanto externos com participantes sem máscaras, próximos uns dos outros. E Trump também rejeitou as precauções básicas na Casa Branca, incluindo distanciamento físico da equipe e exigência de máscaras faciais durante reuniões.

A imprudência de Trump não apenas expôs a si mesmo, a esposa e toda a comitiva ao COVID-19, como também encorajou seus apoiadores em todo o país  a zombar de advertências de saúde pública e ameaçar especialistas em doenças infecciosas, contribuindo assim para a propagação da doença. Muitos americanos não têm conhecimento científico básico e são facilmente influenciados e estimulados por manipuladores como Trump e seus aliados da Fox News. Trump não apenas impediu uma resposta eficaz da saúde pública federal, como também incitou um comportamento perigoso de seus seguidores em todo o país.

Como outros líderes mundiais que contraíram COVID-19, Trump poderia facilmente ter evitado ser infectado se observasse as restrições normais de saúde pública. Não é por acaso que políticos populistas nos moldes de Trump, notadamente o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, também foram infectados. Como Trump, Johnson e Bolsonaro minimizaram sistematicamente a ameaça da pandemia e descaradamente ignoraram medidas rotineiras de saúde pública. E, como Estados Unidos, Reino Unido e Brasil estão entre os países mais afetados do mundo, com uma taxa de mortalidade COVID-19 de 647 por milhão de habitantes nos EUA, 687 no Brasil e 623 no Reino Unido, em comparação com um taxa média global de mortalidade de 133 por milhão.

Certamente, a falta de consideração pela ciência por parte de Trump tem raízes mais profundas nas recentes políticas e cultura americanas. Isso se encaixa em dois propósitos do Partido Republicano moderno que remontam a Ronald Reagan. O primeiro é mobilizar a base cristã evangélica do Partido Republicano. Sua rejeição à ciência está enraizada na interpretação literal das Escrituras – crença essa conhecida como inerrância bíblica.

A segunda razão relacionada é o antiambientalismo feroz do moderno Partido Republicano, que foi generosamente financiado pelas grandes petrolíferas e grandes indústrias do carvão durante décadas em troca de ações para bloquear e reverter regulamentações destinadas à conservação ambiental e segurança climática. Não é por acaso que Trump não apenas rejeita a ciência básica de controle do COVID-19, como também repudia a ciência climática básica, mesmo em meio aos terríveis incêndios florestais que assolam o oeste dos EUA. Assim como ele declarou que o vírus simplesmente desapareceria, recentemente ele prometeu que o aquecimento global iria parar magicamente: “Vai começar a esfriar. Esperem para ver.”

Por outro lado, Bolsonaro é um quase clone de Trump nesse aspecto. Com sua base de cristãos evangélicos e seu radical antiambientalismo, repúdio à ciência do clima e políticas que favorecem a indústria do petróleo no Brasil, ele tem governado da mesma maneira.

Mas Trump não representa um desvio das políticas do Partido Republicano a esse respeito. Há um quarto de século, Newt Gingrich, como orador republicano da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, forçou o fechamento do Escritório de Avaliação de Tecnologia do Congresso, que fornecia orientação científica e tecnológica aos membros do Congresso. O objetivo de Gingrich era impedir que a ciência ambiental divulgasse os regulamentos que afetam as indústrias que, por sua vez, apoiam o Partido Republicano.

A agenda anticientífica de Trump colocou o mundo inteiro em perigo. Sob sua administração, os EUA retiraram-se do acordo climático de Paris e da Organização Mundial da Saúde, frustrando assim a luta global contra as mudanças climáticas e o COVID-19. Em vez de abordar as crises globais com base em evidências científicas, Trump e seu evangélico secretário de Estado, Mike Pompeo, tentaram lançar uma cruzada cristã contra a China.

É difícil saber se a infecção de Trump pelo COVID-19 fará com que mais americanos acordem para a realidade da saúde pública e das mudanças climáticas. A verdade tem sido duramente agredida pelo Partido Republicano e seus aliados. A Fox News, a crença evangélica no literalismo bíblico e a propaganda corporativa, além das contribuições de campanha minaram profundamente a tendência dos EUA de basear suas políticas na ciência e em evidências, em vez de mentiras.

Espero que Trump se recupere de sua doença. Mas, como isso não ajudará os Estados Unidos a se recuperar de seu erro, também espero que Biden obtenha uma vitória esmagadora nas eleições do próximo mês. Nesse caso, Trump provavelmente passaria 2021 revisando, sob juramento, um tipo muito diferente de evidência, a respeito de acusações relacionadas à fraude bancária e de seguro que agora estão sendo investigadas pelos promotores de Nova York.

 

Tradução de Anna Maria Dalle Luche, Brasil

 

Para visualizar a versão original do artigo, acesse:

https://www.project-syndicate.org/commentary/lies-that-infected-trump-anti-science-gop-by-jeffrey-d-sachs-2020-10/portuguese

 

Jeffrey D. Sachs, professor de Desenvolvimento Sustentável e de Políticas e Gerenciamento de Saúde da Universidade de Columbia, é diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável de Columbia e da Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável (SDSN) da ONU. Ele já atuou como consultor especial para três secretários-gerais da ONU. Seus livros incluem O Fim da Pobreza, Riqueza Comum, A Era do Desenvolvimento Sustentável, Construindo a Nova Economia Americana e, mais recentemente, Uma Nova Política Externa: Além do Excepcionalismo Americano.

 

Publicada em 9 de outubro de 2020 e está arquivada em Notícias e Eventos.


Top